#16 Vidas Secas

204215_1GGTítulo: Vidas Secas

Autor: Graciliano Ramos

Primeira Publicação: 1938

Modalidade: Ficção

Minha Edição: Editora Record

“Você é um bicho, Fabiano.”

O quarto romance do alagoano Graciliano Ramos é constituído de um conjunto de quadros praticamente autônomos, episódios da vida precária de uma família castigada pela seca. Alguns dos treze capítulos do livro não possuem uma linearidade temporal, podendo ser destacados e lidos em qualquer ordem (estes já foram inclusive publicados isoladamente, como contos). Apenas o primeiro e o último capítulo fogem a essa estética de leitura em mosaico. Ademais, tal estrutura da obra não quebra sua unidade. Os capítulos ainda são narrados sob a perspectiva individual de um personagem ou tratando de alguns acontecimentos importantes para a história.

A obra se deve a muitas histórias sobre retirantes que o autor ouviu na infância. Na narrativa, a família constituída por Fabiano, sua mulher Sinhá Vitória, seus filhos, o menino mais novo e o menino mais velho, e pela cadela Baleia, se vê obrigada a se deslocar para localidades menos afetadas pelo tempo seco.

O contraste entre Baleia e Fabiano se faz marcante na medida em que a primeira apresenta características humanas e o segundo em muito se compara a um bicho. A cadela pensa, sonha e age como gente. Já o vaqueiro várias vezes se reconhece como animal por ser rude e sem instrução, sendo provido de boa comunicação e lamentando nada poder fazer contra as adversidades da vida. Sinhá Vitória também é forte na história pelo certo nível de esperteza e inconformidade diante da miséria.

Graciliano prefere focar não só nos defeitos da pobreza, mas em outras mazelas sociais vividas por seus personagens, tornando-os, além de vencidos pelos rigores do tempo, vítimas da desonestidade e da arbitrariedade advindas da classe dominante.

A narração onisciente e em terceira pessoa é importante para criar uma visão distanciada, áspera e crua da realidade dos integrantes daquela família, suas condições de existência e seus modos de ser individuais. Os personagens participam de certa forma da narração através do discurso indireto livre, mesclando suas falas e pensamentos à exposição de fatos feita pelo narrador.

O livro é cruel ao mesmo tempo em que é dotado de grande beleza. Trata-se de uma das obras mais expressivas e valiosas da literatura nacional.

____________________________________________________________

Referências Utilizadas:

RAMOS, G. Vidas secas. Rio de Janeiro: Record, 2000.
ISBN: 9788501005588

BOSI, A. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1994. p. 400-405.

graciliano.com.br

____________________________________________________________

Filmoteca: Vidas Secas (1963). Filme dirigido por Nelson Pereira dos Santos, com Átila Iório e Maria Ribeiro. // Como se Morre no Cinema (2002). Curta-metragem dirigido por Luelane Loiola Corrêa.

A adaptação do livro de Graciliano é até hoje uma das produções mais premiadas e lembradas na história do cinema nacional. É incrível como as cenas contidas na narrativa escrita foram convertidas magistralmente à linguagem cinematográfica pelas mãos do diretor Nelson Pereira dos Santos. Trata-se de um clássico essencial. Os bastidores de sua gravação são mostrados, de forma bem humorada, no curta-metragem que aqui também indico.

____________________________________________________________

Musicoteca: Zé Ramalho (1978). Disco de Zé Ramalho.

O som marcante de Zé Ramalho, meu conterrâneo, é uma ótima escolha para acompanhar a leitura de Vidas Secas. O álbum homônimo marca sua estreia como artista solo, com composições influenciadas por elementos tradicionais da cultura nordestina (formada por cantadores, repentistas e violeiros), também refletindo o universo particular do músico através das guitarras do rock progressivo.

Anúncios
Deixe um comentário

6 Comentários

  1. Adoro o Graciliano Ramos (Angústia é um dos livros mais bem escritos que já li!), mas nunca li justo este Vidas Secas. Tá na minha lista de desejados há um tempão e me sinto um pouco de farsa quando saio por aí dizendo que gosto do cara sem ter lido a obra mais famosa dele :)

    Resposta
    • O Graciliano é um gênio, Amanda. Tenha certeza de que muitos outros títulos dele aparecerão por aqui (inclusive o Angústia). Espero que meus comentários tenham só aumentado sua vontade de ler o Vidas Secas. :)

      Resposta
  2. Excelente ideia. Vou acompanhar de perto e recomendar bastante. Parabéns pelo trabalho, Valnikson!

    Resposta
  1. #56 zé ramalho | 1001 DISCOS BRASILEIROS PARA OUVIR ANTES DE MORRER
  2. Listeratura: Animais na Ficção | 1001 Livros Brasileiros Para Ler Antes de Morrer
  3. Listeratura: Mães na Ficção | 1001 Livros Brasileiros Para Ler Antes de Morrer

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: