Listeratura: Carnaval na Literatura

Carnaval é o nome dado ao rito tradicionalmente ligado à Igreja Católica realizado nos três dias que precedem a quarta-feira de cinzas ou primeiro dia da Quaresma (que equivale a quarenta dias de jejum). Todavia, com o passar do tempo, essa festividade foi abarcando elementos que se faziam notórios na oposição ao tom sério e religioso de sua origem. No Brasil, o festejo adquiriu contornos culturais e de manifestação popular, sendo hoje um feriado oficial comumente ligado à imagem de carros alegóricos em desfiles temáticos, bonecos gigantes e coloridos,  foliões fantasiados, cobertos de confete e serpentina, dançando ao som de ritmos agitados (como o frevo, o axé e o samba) em bailes ou conglomerados de rua. Cada região do país foi reinterpretando a festa de acordo com sua história e costumes locais, contribuindo para sua bela e enorme diversidade. É claro que uma época tão importante para tantos brasileiros também iria fazer-se presente em nossa literatura, com diversos autores celebrando seu clima de alegria ou refletindo sobre seus aspectos sociais. Nesta perspectiva, convido-os a relembrar alguns livros nacionais que se relacionam ao Carnaval, trazendo-o como cenário ou elemento simbólico de grande importância.

(mais…)

Citação – Vinicius de Moraes

“Não falo de mim como músico, mas como poeta. Não separo a poesia que está nos livros da que está nas canções. ” – Vinicius de Moraes

#24 Orfeu da Conceição

Título: Orfeu da Conceição

Autor: Vinicius de Moraes

Primeira Publicação: 1956

Modalidade: Ficção

Minha Edição: Editora Companhia das Letras (Selo Companhia de Bolso)

“Só não morre no mundo a voz de Orfeu.”

(mais…)

Extrato Poético: Vinicius de Moraes

Soneto de Carnaval

Distante o meu amor, se me afigura
O amor como um patético tormento
Pensar nele é morrer de desventura
Não pensar é matar meu pensamento.

Seu mais doce desejo se amargura
Todo o instante perdido é um sofrimento
Cada beijo lembrado uma tortura
Um ciúme do próprio ciumento.

E vivemos partindo, ela de mim
E eu dela, enquanto breves vão-se os anos
Para a grande partida que há no fim

De toda a vida e todo o amor humanos:
Mas tranquila ela sabe, e eu sei tranquilo
Que se um fica o outro parte a redimi-lo.

Vinicius de Moraes in ‘Antologia Poética’ (Editora José Olympio)

Extrato Poético: Vinicius de Moraes

Poética

De manhã escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite ardo.

A oeste a morte
Contra quem vivo
Do sul cativo
O este é meu norte.

Outros que contem
Passo por passo:
Eu morro ontem

Nasço amanhã
Ando onde há espaço:
– Meu tempo é quando.

Vinicius de Moraes in ‘Antologia Poética’ (Editora José Olympio)