Extrato Poético: Gonçalves Dias

Soneto

Pensas tu, bela Anarda, que os poetas
Vivem d’ar, de perfumes, d’ambrosia?
Que vagando por mares d’harmonia
São melhores que as próprias borboletas?

Não creias que eles sejam tão patetas.
Isso é bom, muito bom mas em poesia,
São contos com que a velha o sono cria
No menino que engorda a comer petas!

Talvez mesmo que algum desses brejeiros
Te diga que assim é, que os dessa gente
Não são lá dos heróis mais verdadeiros.

Eu que sou pecador, – que indiferente
Não me julgo ao que toca aos meus parceiros,
Julgo um beijo sem fim cousa excelente.

Gonçalves Dias in ‘Poesia Lírica e Indianista’ (Editora Ática)

#22 Triste Fim de Policarpo Quaresma

Título: Triste Fim de Policarpo Quaresma

Autor: Lima Barreto

Primeira Publicação: 1915

Modalidade: Ficção

Minha Edição: Editora Ática

“Policarpo era patriota. Desde moço, aí pelos vinte anos, o amor da pátria tomou-o todo inteiro.”

(mais…)

#13 Senhora

Título: Senhora

Autor: José de Alencar

Primeira Publicação: 1875

Modalidade: Ficção

Minha Edição: Editora Ática

“… essa riqueza servirá para dar-me a única satisfação que ainda posso ter neste mundo.”

(mais…)

#04 O Cortiço

Título: O Cortiço

Autor: Aluísio Azevedo

Primeira Publicação: 1890

Modalidade: Ficção

Minha Edição: Editora Ática

“Noventa e cinco casinhas comportou a imensa estalagem.”

(mais…)