Extrato Poético: Mário Quintana

Os Poemas

Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam
no livro que lês.
Quando fechas o livro, eles alçam vôo
como de um alçapão.
Eles não têm pouso
nem porto
alimentam-se um instante em cada par de mãos
e partem.
E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhado espanto de saberes
que o alimento deles já estava em ti…

Mário Quintana in ‘Esconderijos do Tempo (Editora Objetiva/Alfaguara)

Literafilia: Sobre Falsas Autorias e Erros de Citação

A internet opera um papel importante e ambíguo em relação ao legado dos grandes nomes da Literatura. A leitura nunca foi tão facilitada e disseminada.  Diversos escritores passaram a dividir espaço na vida corrida dos brasileiros e isto se deve, ao menos em parte, à sua propagação na rede. Ademais, tal compartilhamento às vezes vem atrelado a informações erradas, afetando diretamente o nosso patrimônio cultural e causando constrangimento.

(mais…)

Extrato Poético: Mário Quintana

Canção do Dia de Sempre

Tão bom viver dia a dia…
A vida, assim, jamais cansa…

Viver tão só de momentos
Como essas nuvens do céu…

E só ganhar, toda a vida,
Inexperiência… esperança…

E a rosa louca dos ventos
Presa à copa do chapéu.

Nunca dês um nome a um rio:
Sempre é outro rio a passar.

Nada jamais continua,
Tudo vai recomeçar!

E sem nenhuma lembrança
Das outras vezes perdidas,
Atiro a rosa do sonho
Nas tuas mãos distraídas…

Mário Quintana in ‘Canções’ (Editora Globo)

Extrato Poético: Mário Quintana

Eu Faço Versos

Eu faço versos como saltimbancos
Desconjuntam os ossos doloridos.
A entrada é livre para os conhecidos…
Sentai, amadas, nos primeiros bancos!

Vão começar as convulsões e arrancos
Sobre os velhos tapetes estendidos…
Olhai o coração que entre gemidos
Giro na ponta de meus dedos branco!

“Meu Deus! Mas tu não mudas o programa!”
Protesta a clara voz das bem-amadas.
“Que tédio!” o coro dos amigos clama.

“Mas que vos dar de novo e de imprevisto?”
Digo… e retorço as pobres mãos cansadas:
“Eu sei chorar… Eu sei sofrer… Só isto!”

Mário Quintana in ‘Esconderijos do Tempo’ (Editora Objetiva/Alfaguara)