#83 Vasto Mundo

Título: Vasto Mundo

Autor: Maria Valéria Rezende

Primeira publicação: 2001

Modalidade: Ficção

Minha Edição: Editora Objetiva/Alfaguara

“A vida é o que se vê, o que se sonha, o que se narra, o que se lembra ou se esquece?”

A escrita de Maria Valéria Rezende está tomando cada vez mais espaço cativo na estante de muitos leitores. Mesmo com um debute tardio, a autora paulista radicada na Paraíba já pode ser considerada um dos principais nomes da prosa nacional contemporânea. A experiência como educadora viajante contribuiu com sua enorme habilidade em conceber histórias, ainda que estas tenham ficado engavetadas por tanto tempo. Foi com o incentivo de amigos intelectuais e a chancela de alguns concursos que ela finalmente resolveu publicar as preciosas narrativas: transitando entre o conto e o romance, Vasto Mundo com certeza marcou uma formidável estreia literária.

O livro apresenta em seus capítulos uma coleção de “causos” à primeira vista autônomos que se interligam por um cenário em comum que pode ser encarado como seu verdadeiro protagonista: o fictício povoado de Farinhada. É o próprio chão desse lugarejo que descreve a maioria das encantadas trajetórias dos trabalhadores, beatos, artistas, sonhadores, homens e mulheres, jovens e anciões, pobres e posseiros, sobre o qual deixam suas pegadas diariamente. A trama é formada pelos encontros e desencontros dessa gente invisível, escondida nas brechas e curvas do mundo.

Os dezesseis relatos aqui reunidos evidenciam um microcosmo próprio, totalmente inspirado na geografia e tradição cultural presentes em diversas cidadelas do interior do Nordeste brasileiro, em que o tempo aparentemente escoa mais devagar em detrimento da labuta diária, em uma rotina que, sem grandes turbulências, guarda curiosos e interessantes aspectos. É justamente a chegada de forasteiros, de sinais do eminente processo de globalização e da partida de elementos até então enraizados que trazem a percepção de um vasto horizonte além da aldeia e suas imediações, movendo o texto em contraponto ao olhar limitado dos personagens principais.

Dentre estas interessantes figuras elencadas por Rezende, tomam relevo três papeis pontuais para o desenvolvimento paradigmático da narrativa como um todo: Preá, rapaz farinhense apaixonado por uma moça vinda do Rio de Janeiro que, ao tentar provar seu amor, acaba descobrindo a imensidão que o rodeia; Zefinha Lima, mulher que decide reinventar os detalhes ruins das cartas que lê para o pessoal do sítio Ventania, como uma “guardiã da alegria” determinada a só trazer boas notícias; e Paulo Afonso, professor fixado em saber a localização da Pasárgada materializada nos versos de Manuel Bandeira. Estes importantes agentes ganham enfoque no início, meio e final do volume, marcando poeticamente a transfiguração e expansão da realidade daquele cafundó.

Ademais, há vários outros momentos de grande força criativa, a exemplo da aparição da divertida Dona Ceiça, que recorre aos serviços de uma prostituta para recuperar a virilidade do marido, ou de Josineide que, na espera do homem certo para se casar, acredita ter engravidado de um E.T., assim como a de Mocinha, jovem que desabrocha para a vida amorosa por causa das piscadas de olho que recebe de um moço bonito chamado Roberto Carlos.

A autora faz uso do discurso indireto livre e da narração em terceira pessoa em quase toda a obra, com exceção do capítulo intitulado “Morte Certa”, que acompanha a perspectiva de Dona Margarida, que conta como testemunhou o misterioso assassinato do pacato Chico Quinta-Feira. A linguagem simples próxima à oralidade oferece um ritmo perfeito à leitura e ajuda a criar maior empatia com os indivíduos expostos, envolvendo-nos em seus conflitos, devaneios e aventuras. O encaixe de histórias forma um enredo em vários planos, atribuindo densidade ao impresso. Ainda que não evoque uma denúncia factual ou avaliação panfletária, diversas passagens expõem, por meio de simbolismo, duras críticas principalmente à organização social e política do país.

Maria Valéria Rezende descortinou um lugar ao mesmo tempo real e utópico, risível e cruel. O universo de Farinhada já demonstra o notável talento ficcional, delicadeza de estilo e entusiasmo com o testemunho humano característicos de sua expressiva produção.

> Vasto Mundo foi o meu escolhido da categoria Livro de Estreia proposta para o mês de Janeiro no #DesafioLivrosBR.

____________________________________________________________

Referências Utilizadas:

REZENDE, M. V. Vasto mundo. Rio de Janeiro: Objetiva/Alfaguara, 2015.
ISBN: 9788579623615

Anúncios
Post anterior
Deixe um comentário

8 Comentários

  1. Uma escritora que ainda não conheço. Graças à sua resenha, a curiosidade em conhece-la instalou-se. Quero ler! Obrigado!

    Resposta
    • Que felicidade em ter te conquistado para a leitura desta sensacional autora, professor! Já escrevi sobre outro livro dela aqui no blog (o lindo ‘O Voo da Guará Vermelha’), mas essa estreia é perfeita para começar a se aventurar por sua literatura. Grande abraço e obrigado pela visita!

      Resposta
  2. penafielmatheus

     /  7 de fevereiro de 2017

    Bah, fiquei muito interessado pelo livro. Obrigado pela resenha! Ia mesmo perguntar se esse era o livro de estreia, pensando no desafio proposto no início do ano. :)

    Resposta
    • Que bom que te fiz se interessar por essa leitura, amigo! Como prometido, estarei seguindo o #DesafioLivrosBR também, postando a cada mês um texto sobre o livro escolhido para as categorias elencadas no início do ano. Você vai participar também? Se sim, não esquece de usar a hashtag para eu te acompanhar! Abração! Muito obrigado pelo comentário!

      Resposta
      • penafielmatheus

         /  21 de fevereiro de 2017

        Sim, vou participar também. Sigo acompanhando o blog para receber mais dicas de leitura ;) Abraço!

  3. Olá, tudo bem?! Te indiquei numa TAG. Espero que participe! https://22luas.wordpress.com/2017/02/09/tag-deuses-do-olimpo/

    Resposta
    • Oi, Rodrigo! Muito obrigado por se lembrar do meu blog nas indicações da sua tag. Prometo respondê-la nem que seja em um comentário no seu post, ok? Grande abraço e obrigado pela visita!

      Resposta

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: