#81 Os Ratos

Título: Os Ratos

Autor: Dyonelio Machado

Primeira publicação: 1935

Modalidade: Ficção

Minha Edição: Editora Planeta

“Lhe dou mais um dia!”

O gaúcho Dyonelio Machado, formado em Medicina, adentrou ao meio intelectual através da militância comunista, começando a exercer a verve de escritor no suporte periódico. A especialização em psicanálise trouxe certa complexidade à sua ficção, principalmente no tocante ao engenho interior dos personagens. No marcante romance Os Ratos, percebemos esse cuidado da composição psicológica unida a um atento retrato da classe média brasileira atormentada pelos dissabores cotidianos no início do século XX.

A narrativa acompanha um dia na vida do funcionário público Naziazeno Barbosa, homem comum que se vê preocupado com a ameaça de corte no fornecimento de leite se sua dívida de 53 mil réis não seja quitada. A desolada esposa Adelaide argumenta que é possível ficar sem gelo e sem manteiga, mas não sem o leite do filho Mainho.  Diante de toda a vizinhança, o leiteiro oferece até a manhã seguinte para conseguirem a quantia. O ultimato ecoa no pensamento do pai de família e, no bonde, no caminho para o trabalho, ele decide recorrer à ajuda do diretor de sua repartição, Dr. Romeiro, que já o havia auxiliado em ocasião anterior, quando precisava comprar remédios para o rebento. A fama de devedor e a suspeita de desonestidade, entretanto, em nada favorecem, levando o protagonista a vagar pelas ruas do centro de Porto Alegre em busca de algum empréstimo, apelando a outros conhecidos e a agiotas.

O livro de cerne aparentemente trivial é envolto em intensa obscuridade por meio do enfoque na relação do fragilizado personagem principal consigo mesmo e com o contexto em que está inserido. Mesmo empregando um narrador em terceira pessoa extremamente seco e objetivo, o autor utiliza-se do caótico ambiente urbano e do curto espaço de tempo em que decorre a ação para refletir a angústia sentida por Naziazeno, preso a uma condição que no fundo refuta. A exposição da constante sensação de encarceramento e da forte desilusão contidas em sua perspectiva contribui para que o leitor se aproxime de seu desassossego, com determinadas passagens propiciando um olhar mais sensível quanto à profundidade de um indivíduo à primeira vista tão comum e medíocre. A manifestação de seus erros e esperanças o tornam surpreendentemente crível ao mesmo tempo em que o seu drama constitui um protótipo perfeito para o traçar de eficiente crítica social.

Por meio de interessantes quebras de expectativa, Dyonelio Machado propõe a reflexão acerca da influência que o dinheiro exerce nas relações interpessoais, controlando os níveis de respeitabilidade e ética, regulando a dignidade humana. O título evoca a noção de que, para a população não-abastada, em uma conjuntura dominada pelo consumo, uma conta sanada logo daria espaço a outra conta atrasada. Os poucos recursos conquistados na labuta diária seriam rapidamente roídos pelos ratos do capitalismo, que perturbam o sono dos proletários. A falsa impressão de tranquilidade sem demora evidenciaria nova preocupação, como se o subconsciente tentasse disfarçar o prolongamento de uma tarefa sempre inacabada ou um papel nunca totalmente satisfeito. Os poderosos permaneceriam oprimindo e servindo-se das dificuldades dos mais pobres, talvez aniquilando seus sonhos.

A elegância linguística não afasta o escritor da realidade coloquial, com a transposição discursiva seguindo um padrão mais direto e econômico, o que também garante a boa fruição da leitura. Todavia, trata-se de uma experiência complexa, em que são semeados vestígios de sentido, através da descrição minuciosa principalmente de gestos e impulsos, que revelam importantes aspectos do comportamento e personalidade das figuras elencadas. O tempo é explorado como componente de sufocamento, impulsionando a ansiedade de Naziazeno em consequência da ameaça sofrida.

Essa arrebatadora obra prima da prosa nacional parte de elementos externos para desvendar o sombrio universo interno de um sujeito impotente, exposto à humilhação e à desgraça ante uma sociedade materialista. Trata-se de uma trama que impressiona pela sua singularidade e caráter político, expondo uma tensão que tende a permanecer na atualidade, com a mesquinhez e a aflição da busca por fundos continuamente assolando a humanidade, envolvendo sua existência em alienação e obsessão.

____________________________________________________________

Referências Utilizadas:

MACHADO, D. Os ratos. São Paulo: Planeta, 2004.
ISBN: 9788589885188

Anúncios
Post anterior
Deixe um comentário

4 Comentários

  1. Jorge Sasgarante

     /  14 de janeiro de 2017

    sensacional :)
    voltarei à livraria em que o vi
    se não levaram, levá-lo-ei :)
    evoé valnikson! sensacional trabalho feito aqui :) \o/

    Responder
  2. Um livro impressionante. Entre outras coisas: um exemplo da (ao) literatura que se produzia no Brasil nos idos anos 30 do século passado no RS. Exemplo que derruba a tese de que nesta década apenas o “Regionalismo” (nordestino) prestava na série literária Brasileira. Em que pese algum dissenso, João Luiz Lafetá estava certo. Excelente leitura!

    Responder

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: