#49 História da Chuva

Título: História da Chuva

Autor: Carlos Henrique Schroeder

Primeira publicação: 2015

Modalidade: Ficção

Minha Edição: Editora Record

“Mesmo crescidos continuamos no palco: a vida é nossa peça e a morte, o fechamento das cortinas.”

O catarinense Carlos Henrique Schroeder é sem dúvida um dos maiores destaques da prosa brasileira contemporânea. Autor premiado e diversificado, também faz as vezes de editor e roteirista, além de assinar crônicas semanais em alguns periódicos regionais. Grande agitador cultural, o escritor ainda é idealizador de importantes eventos literários, incluindo a Feira do Livro de Jaraguá do Sul. O seu romance História da Chuva toma como ponto de partida um desastre real para discutir a perda e explorar o universo das artes cênicas por meio da autoficção.

A narrativa centra-se na relação entre Arthur e Lauro, amigos e parceiros profissionais dedicados ao teatro de marionetes, fundadores do GEFA (Grupo Extemporâneo de Formas Animadas), que é tema de uma matéria escrita por um alter ego de Schroeder, que se mistura às suas criações. Com a morte de Arthur, vítima das torrenciais enchentes que afetaram inúmeras cidades da mesorregião do Vale do Itajaí, em Santa Catarina, no ano de 2008, a figura hesitante do autor inicia uma série de conversas com Lauro revendo a interessante trajetória daquele artista tragado pelas chuvas. Editor de um selo pequeno e com um livro parado, Carlos percebeu que, traçando um perfil de Arthur, poderia emplacar um ensaio em alguma grande revista.

A obra é narrada como uma espécie de documentário, investigando o valor da arte enquanto dispositivo de fuga ou de reinterpretação da vida através da história de Arthur, mineiro que começou a carreira de teatrólogo apresentando um espetáculo de rua inspirado no personagem Dom Quixote, ainda em Belo Horizonte. Homossexual, ele chegou em território catarinense à procura de um recomeço, após perder vários amigos para a Aids. É quando juntou seus esforços ao do carpinteiro Lauro e alargou o trabalho com os bonecos de madeira. Entramos em contato com os detalhes desse percurso pelas palavras incertas de Lauro, recém-divorciado que, muito atordoado pela ausência do querido companheiro, procura um sentido para a existência das próprias memórias. Seu relato abarca a incerteza acerca da causa da morte de Arthur.

Ademais, a elaboração do enredo acaba dando maior realce à figura do “autor-narrador-personagem”. Ao longo do texto, vemos sua evolução de jovem recluso em adulto cheio de vícios e interesses próprios. A imaturidade com as mulheres fê-lo se envolver com Melissa, moça instável e possessiva que, num súbito de fúria, tentou castrá-lo, dominada por um ciúme doentio. Superado o trauma do relacionamento passado, Carlos se encontra de casamento marcado com Deborah, mas sente as chuvas atrapalharem o seu destino. É por meio dele que o leitor se sente imerso nos problemas do mercado literário, vendo como é comandar uma editora, percebendo a relevância dos editais e das atividades paralelas para sobreviver das letras.

Outra significativa camada que surge mais adiante intercala trechos de uma peça teatral ao narrado. Trata-se de um espetáculo montado pelo diretor teatral Ricardo Satti em homenagem ao dramaturgo morto, curiosamente seu inimigo declarado.

A trama requintada é repleta de referencias à origem e à evolução do teatro de animação no país, com enfoque nas companhias cênicas sulistas. A escrita de Carlos Henrique Schroeder é bem visual e sedutora, com maravilhosas descrições das paisagens de Pomerode e Blumenau, entre outros cenários, mesclando elementos reais e ficcionais de forma engenhosa. Algumas momentos inclusive trazem a dúvida se tudo aquilo posto no papel seria verdadeiro ou mesmo inventado. Com a sensibilidade e a criatividade afiadas, o escritor consegue refletir sobre as dificuldades em se ultrapassar imune a fracassos e a grandes tragédias, num livro que carrega muito dele mesmo.

Entrevista com Carlos Henrique Schroeder ao Blog da Editora Record contando detalhes sobre o processo de escrita do livro.

____________________________________________________________

Referências Utilizadas:

SCHROEDER, C. H. História da chuva. Rio de Janeiro: Record, 2015.
ISBN: 9788501105387

____________________________________________________________

Musicoteca: Grão do Corpo (2014). Disco de O Teatro Mágico.

Deixo a indicação deste ótimo álbum de O Teatro Mágico para acompanhar a leitura do romance. O disco, marcado pelos dilemas da vida contemporânea, possui uma instrumentação mais urbana, não perdendo, entretanto, a essência sonora do grupo, reunindo elementos do circo, do teatro e da poesia. A chuva aqui aparece em várias faixas, fazendo lembrar os pés encharcados dos personagens criados por Schroeder.

Anúncios
Post seguinte
Deixe um comentário

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: