#40 O Que É Isso, Companheiro?

Título: O Que É Isso, Companheiro?

Autor: Fernando Gabeira

Primeira publicação: 1979

Modalidade: Não Ficção

Minha Edição: Editora Companhia das Letras (Selo Companhia de Bolso)

“Meu Deus, sequestramos o embaixador dos Estados Unidos.”

Retornando ao território brasileiro após o exílio na Argélia durante a década de 1970, o jornalista mineiro Fernando Gabeira lançou em livro um relato lúcido acerca do período da Ditadura Militar no país. Com O Que é Isso, Companheiro?, o escritor buscou compreender o sentido de suas experiências enquanto militante numa organização clandestina, sofrendo expatriação após ser torturado em interrogatório na prisão. A obra logo se tornou um sucesso editorial, ganhando muitas reedições e sendo encarada como uma referência essencial para a compreensão da luta armada no final dos anos 1960.

O depoimento de Gabeira é em maior parte tomado pelos acontecimentos que envolveram o sequestro do embaixador dos Estados Unidos no Brasil Charles Burke Elbrick, em setembro de 1969.  O texto inicialmente narra um pouco da carreira do autor na equipe do Jornal do Brasil, no Rio de Janeiro, caminhando para o seu envolvimento na guerrilha armada com o ingresso no Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR8), organização política de esquerda. Fernando passou a ser um dos homens mais procurados do país, participando de diversas ações contra a repressão do regime militar no país, acompanhando de perto a organização do sequestro do diplomata norte-americano, realizado em conjunto com a Ação Libertadora Nacional (ALN), de São Paulo. O projeto visava libertar diversos companheiros feitos prisioneiros, incluindo o então líder estudantil Vladimir Palmeira, além de difundir a realidade violenta e coibida vivida pelos brasileiros na época.

Contudo, o registro de Fernando sobre o tempo em que passou na prisão é a parte que mais se destaca na obra. O escritor apresenta detalhes das atrocidades cometidas no cativeiro pelos militares, assim como a dura rotina dos presos políticos. Ele se mostra crítico à rigorosa punição a qualquer pessoa que oferecia ajuda a algum participante dos grupos de oposição ao autoritarismo vigente. Ademais, sua fala não esconde as falhas dos partidos rebeldes, apontando na militância a participação de jovens despreparados.

O leitor certamente se sente bem próximo dos fatos narrados, o que causa certa perturbação durante a descrição de algumas torturas. O ritmo de leitura pende em alguns momentos, mas o autor é dinâmico e demonstra habilidade em conduzir sua exposição.

A violenta perseguição, a limitação de direitos civis, a injustiça e a censura são esferas daquela época bastante evidenciadas no discurso do escritor. Naqueles anos de chumbo, o povo não conhecia a liberdade de expressão, nem tão pouco vivia alguma cidadania. O ambiente nacional se configurava em medo e desconfiança, o que motivou aquela geração a se rebelar guiada pela esperança ideológica.

A obra, mesmo sob uma perspectiva pessoal, traça um intenso panorama da ditadura no Brasil, verificando como os movimentos revolucionários foram importantes para a desestabilização do sistema em vigor buscando a verdadeira democracia. As colocações de Fernando Gabeira mostram que, ao contrário do que muitos ainda pensam, a intervenção militar não caracteriza qualquer expressão positiva a nenhum governo.

____________________________________________________________

Referências Utilizadas:

GABEIRA, F. O que é isso, companheiro? São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
ISBN: 9788535913798

www.memoriasdaditadura.org.br

____________________________________________________________

Filmoteca: O Que É Isso, Companheiro? (1997). Filme dirigido por Bruno Barreto, com Pedro Cardoso, Fernanda Torres, Matheus Nachtergaele, Luiz Fernando Guimarães, Cláudia Abreu, Selton Mello e Marco Ricca.

A versão para o cinema apresenta um maior número de elementos ficcionais, não explorando tanto os horrores da ditadura militar brasileira e formando uma narrativa aparentemente “menos pesada” em relação ao livro. Ademais, com roteiro centrado apenas no 15° capítulo da obra de Gabeira (focado no episódio do sequestro do embaixador Burke), o filme consegue criar um grande clima de tensão que prende os espectadores, concedendo uma dimensão mais humana aos personagens históricos. A produção foi premiada internacionalmente, sendo inclusive indicada ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 1998. Além do excelente elenco principal, ainda contamos com a participação especial de Fernanda Montenegro, Milton Gonçalves, Othon Bastos, Alessandra Negrini e do norte-americano Alan Arkin.

Anúncios
Deixe um comentário

3 Comentários

  1. Comprei esse livro só esse ano, mas meu professor de Historia do Brasil vivia indicando na época do cursinho. Só li o primeiro capitulo e já estou me corroendo de curiosidade/vontade de ler tudo.
    Adorei o que você escreveu, me deixou ainda mais animada com essa leitura.

    Beijos

    Responder
    • Olá! Este livro é mesmo relevante para a nossa história (seu professor parece ser muito bom em indicações). Também só adquiri a minha edição neste ano, apesar de estar curioso pela escrita do Gabeira há algum tempo.
      Fico imensamente feliz em ter te animado a aproveitar a leitura.

      Muito obrigado pela visita!
      Um grande abraço! :)

      Responder
  1. os dez melhores livros que li em 2015 | satãnatório

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: