#31 O Reizinho Mandão

Título: O Reizinho Mandão

Autora: Ruth Rocha

Primeira publicação: 1978

Modalidade: Ficção

Minha Edição: Editora Salamandra

 “Cala a boca já morreu!
Quem manda na minha boca sou eu!”

Ruth Rocha é sem dúvidas uma das escritoras mais prestigiadas de nossa literatura. Autora de verdadeiros clássicos voltados ao publico infantil e juvenil, a autora muito contribuiu para que o mercado editorial brasileiro respeitasse o senso crítico dos pequenos leitores, tratando-os com a devida importância. Em mais de quatro décadas dedicadas à atividade escrita, conta atualmente com mais de cem títulos publicados, muitos deles também reconhecidos no exterior. Somam-se ainda as inúmeras adaptações de narrativas canônicas, além da participação na elaboração de livros didáticos adotados em escolas de todo o país. Trata-se de uma diversificada produção agraciada oito vezes com o Prêmio Jabuti.  Em O Reizinho Mandão, ela conseguiu abordar temas caros à conjuntura social de nosso país, como o abuso de poder e a liberdade de expressão, despertando certa consciência política nas crianças.

O livro centra-se na figura de um pequeno soberano, que cria leis absurdas para serem seguidas a risca em seu reino. O menino mimado herdou o trono do pai, um rei conhecido pela sabedoria e justo discernimento. Mal criado pela mãe, que fazia todas as suas mínimas vontades, o reizinho tornou-se um déspota que exagerava na prepotência, desenvolvendo, inclusive, a chata mania de mandar as pessoas calar a boca a todo o momento, diante de qualquer objeção aos seus caprichos. Os súditos, então temerosos, o obedeciam. Foram se calando tanto que acabaram esquecendo como falar. Com o tempo, ninguém realmente mais sabia dizer nada. Foi quando o garoto percebeu pela primeira vez o peso de sua atitude mesquinha, descobrindo que estava só em meio ao total silêncio, sem ninguém para conversar. Sentindo-se culpado, ele viaja atrás de um sábio que vivia no reino vizinho, a fim de algum conselho para reverter a situação.

Percebemos no enredo claras alusões à situação dos brasileiros em seu passado de ditadura militar, que perdurou de 1964 a 1985. A população privada de voz traçava uma ótima representação do povo silenciado por aquele governo arbitrário. A obra de Rocha, assim como muitos outros livros infantis e juvenis que abordavam de forma alegórica noções de resistência a um governo tirânico, conseguiu passar ileso pelos órgãos sensores da época, promovendo a reflexão e formando leitores mais conscientes da difícil conjuntura que a nação vivia. Os títulos destinados à infância, muitos deles cortejando com os contos da tradição popular, tornaram-se um eficaz suporte para a disseminação de valores contrários ao autoritarismo. A escritora em questão, contudo, não deixou o caráter lúdico ser suprimido pela forte inclinação sócio-política, sabendo muito bem trabalhar a realidade sem perder de foco a fantasia.

Através do personagem do reizinho birrento e egoísta, a autora também discute o comportamento moral de todo indivíduo que em algum momento da vida agiu como o pequeno opressor. No final, percebemos que toda a narrativa se desenvolve com o intuito de auxiliar a compreensão da consideração recíproca, do verdadeiro significado de igualdade. É Ruth Rocha tentando fazer com que o adulto enxergue as crianças em mesmo nível, ouvindo o que elas pensam.

____________________________________________________________

Referências Utilizadas:

ROCHA, R. O reizinho mandão. Rio de Janeiro: Editora Salamandra, 2015.
ISBN: 9788516089238

www.ruthrocha.com.br

www.bibliotecaruthrocha.com.br

Anúncios
Deixe um comentário

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: