#14 A Mentira

Título: A Mentira

Autor: Nelson Rodrigues

Primeira Publicação: 1953

Modalidade: Ficção

Minha Edição: Editora Companhia das Letras

“Lúcia é tudo pra mim, tudo!”

O primeiro romance assinado por Nelson Rodrigues, sem mais o pseudônimo Suzana Flag, circulou inicialmente sob a forma de folhetim no periódico carioca Jornal da Semana – Flan. Os dezoito capítulos da obra foram publicados entre 21 de junho e 31 de agosto de 1953, sendo que um deles teve duas tiragens por conta de um erro tipográfico. Cada capítulo era acompanhado por ilustrações do pernambucano Darel Valença Linse e por sinopses que colocavam os novos leitores a par do enredo.

Na narrativa, Doutor Maciel é um pai de família severo e machista. É casado com Dona Ana, esposa submissa e silenciosa. O casal tem cinco filhas, sendo que Lúcia, a caçula de quatorze anos, é a predileta do pai, que não faz questão de esconder o desprezo que sente pelas outras crias. A ação realmente começa quando a menina tem uma tontura e Maciel a leva ao médico, constatando-se um diagnóstico de gravidez. É aí que todo um lado sujo e escuro, reprimido durante anos pela família, vem à tona.

A obra é repleta de ótimos diálogos, característica bem ligada à famosa veia dramatúrgica do autor. O erotismo rodrigueano se apresenta um pouco velado, revelando a eloquência do escritor para a ótima construção de suas figuras. O lado jornalístico de Nelson também se apresenta através do narrador em terceira pessoa, dotado de dinamismo e informações que parecem tiradas do bloco de notas de um repórter. A própria estrutura dos capítulos lembra a de um jornal, como se cada subparte fosse uma pequena notícia ou artigo.

A leitura é rápida e fácil, talvez devido à falta de uma caracterização mais profunda tanto dos personagens como dos ambientes presentes na história. Tal fato, ademais, não tira o viés melodramático presente no livro. A imparcialidade diante dos membros da história é característica forte na obra, construindo uma veracidade diante dos fatos apresentados, se utilizando da descrição fiel, mesmo que cruel.

Nelson Rodrigues se utiliza dos lados mais verdadeiros do ser humano nos tipos presentes nas histórias que constrói. Contudo, ele acaba por aproximar os leitores de sua aguda escrita pela identificação, criando em suas obras um mundo mais real que imaginário.

____________________________________________________________

Referências Utilizadas:

RODRIGUES, N. A mentira. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
ISBN: 9788535902426

www.nelsonrodrigues.com.br

WEISS, A. Pesquisador desmascara “A mentira” de Nelson Rodrigues.
Disponível em <www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u23933.shtml> Acessado em: 07/12/2013, às 14:30’.

____________________________________________________________

Filmoteca: Delicado (1996). Filme dirigido por Daniel Filho, com José Mayer, José Wilker e Caio Junqueira.

Este curta-metragem é um dos episódios da série A Vida Como Ela É, composta por adaptações de contos escritos por Nelson. O filme possui o elemento familiar de A Mentira, agora mais ligado ao humor. No enredo, o protagonista Euzebiozinho, que sempre só foi rodeado por figuras femininas durante toda a vida, sendo criado pela mãe viúva e pelas tias, se desespera ao ser direcionado à procura de uma mulher para se casar.

Anúncios
Deixe um comentário

3 Comentários

  1. Opa! Mais um pra minha lista no Goodreads!

    Responder
  1. #43 barão vermelho 2 | 1001 DISCOS BRASILEIROS PARA OUVIR ANTES DE MORRER

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: